GIUSEPPE TRONO, PINTOR DE RETRATOS NA CORTE PORTUGUESA (1785 – 1810)

  • Giuseppina Raggi Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
  • Michela Degortes ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Giuseppe Trono/Troni, Palácio da Bemposta, Retratos, Família real, Corte Portuguesa

Resumo

A vasta obra do artista italiano Giuseppe Trono (Turim, 1739 – Lisboa, 1810), como retratista da corte portuguesa em finais de século XVIII, reveste-se de grande importância na construção e divulgação da imagem da família real, numa dinâmica de produção que abrange o âmbito de gravuras e miniaturas. Trono realizou também retratos da elite dos aristocratas e fidalgos lusitanos, onde foi adquirindo fama como pintor e miniaturista. O painel da capela do palácio da Bemposta, um extraordinário conjunto de retratos da família real e do povo lisboeta, representa, através duma complexa iconografia, as políticas do governo de D. Maria I à luz da sua identificação com o culto do Sagrado Coração de Jesus configurando-se como um caso único no contexto artístico português.

Publicado
2018-01-04
Secção
VARIA