A DESSACRALIZAÇÃO DE UM BIOMBO COM CARACTERÍSTICAS ORIENTAIS EM MADEIRA POLICROMADA REVELADA ATRAVÉS DO ESTUDO LABORATORIAL E AS SUAS IMPLICAÇÕES NA INTERVENÇÃO DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO

  • Ana Cristina Seco de Morais Laboratório de Conservação e Restauro, Instituto Politécnico de Tomar
  • António João Cruz Laboratório de Conservação e Restauro, Instituto Politécnico de Tomar; Laboratório HERCULES, Évora; ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa
  • Carla Rego Laboratório de Conservação e Restauro, Instituto Politécnico de Tomar
Palavras-chave: Iconoclastia, Dessacralização, Radiação infravermelha, Repintes, Conservação e restauro.

Resumo

Durante uma intervenção de conservação e restauro, foi verificado que um biombo com características orientais em madeira policromada apresentava extensos repintes que, como se apurou através de imagens de infravermelho, pretenderam ocultar, nas pinturas de 12 cartelas, a origem ocidental das figuras e os símbolos cristãos. Originalmente estavam representados actos da vida de São Domingos de Gusmão e os repintes visaram a dessacralização do objecto, provavelmente durante o período em que o cristianismo foi proibido na China (de 1724 até à década de 1840). Esta dessacralização corresponde a um particular tipo de iconoclastia não intencional que não pretendeu atacar o que as imagens representavam, mas preservar a comunidade a que pertencia o biombo, a qual manteve as suas crenças religiosas, e o próprio objecto. A ponderação dos diversos aspectos relevantes levou à decisão de não remoção desses repintes, não obstante a sua natureza grosseira, devido ao seu valor histórico e documental.

Publicado
2018-01-04
Secção
ARTIGOS