VIEIRA LUSITANO EX MACHINA. OS DESENHOS GUARNECIDOS DO MUSEU DE ÉVORA

  • Lécio da Cruz Leal Bolseiro de Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (ARTIS - Instituto de História da Arte)
Palavras-chave: Vieira Lusitano, Auto-elogio, Nobilitação, Desenho, Guarnição

Resumo

As diferentes sensações resultantes da observação de desenhos guarnecidos e não guarnecidos de Vieira Lusitano, conservados em alguns museus do país, levou-nos a considerar outras motivações para além da intenção do pintor pretender promover esta etapa criativa em objecto artístico em si. A nobilitação dos pintores dependia mais da origem social de cada um do que dos seus méritos, para além disso continuavam a ser ensombrados por a mecanização do ofício. Vieira, porém, não obstante ter ascendido ao mais elevado cargo que um pintor deste país podia aspirar, entre muitas outras conquistas, nunca se sentiu verdadeiramente reconhecido nas esferas sociais mais elevadas, contudo nunca foi uma "voz" activa na reversão da situação. Neste artigo, tentaremos demonstrar que o uso das guarnições nos desenhos do Museu de Évora cumpriu dois objectivos: primeiro, "perpetuar" distintamente as obras mais importantes do ponto de vista de promoção social e que haviam sido destruídas por o terramoto de 01 de Novembro de 1755; segundo, notabilizar os desenhos, apresentando-os como frutos do intelecto - «pensamentos».

Publicado
2015-12-12
Como Citar
Leal, Lécio. 2015. «VIEIRA LUSITANO EX MACHINA. OS DESENHOS GUARNECIDOS DO MUSEU DE ÉVOR»A. ARTis ON, n. 1 (Dezembro), 68-86. http://artison.letras.ulisboa.pt/index.php/ao/article/view/16.
Secção
ARTIGOS