COMPANHIAS DE AZULEJADORES E DE PINTORES DE AZULEJOS ACTIVAS EM LISBOA ENTRE 1757 E 1773: NOVOS CONTRIBUTOS PARA O ESTUDO DA PRODUÇÃO DE AZULEJOS NO PERÍODO POMBALINO

  • Rui Manuel Mesquita Mendes ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa (investigador colaborador)
Palavras-chave: Azulejos, Ladrilhadores, Pintores, Lisboa, Século XVIII

Resumo

A segunda metade do século XVIII é uma época em que a actividade dos azulejadores e pintores de azulejos em Lisboa está ainda pouco documentada e, por isso, também ainda insuficientemente estudada.
Nesse período da chamada reconstrução pombalina, posterior ao terramoto de 1755, assistimos ao progressivo esforço de reconstrução e reorganização do tecido económico e social da cidade. Para enfrentar os novos desafios com que então eram confrontados, os mestres ladrilhadores organizaram-se em sociedades com o objectivo de garantir o capital necessário para a realização das obras do seu oficio, enquanto os pintores de azulejo criaram uma sociedade para assegurar uma remuneração justa para o trabalho de pintura.
A documentação notarial dessas sociedades, agora revelada, permite não só compreender o seu modo de trabalho, como identificar melhor alguns dos principais mestres azulejadores e pintores de azulejos activos em Lisboa no terceiro quartel do século XVIII.

Publicado
2018-06-11
Secção
ARTIGOS