PATRIMÔNIO E PODER: A OFICIALIZAÇÃO DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO BRASILEIRO NA DÉCADA DE 1930

  • Maria Lucia Bressan Pinheiro
Palavras-chave: Preservação do patrimônio; SPHAN; IPHAN; Ouro Preto; Estado Novo

Resumo

O presente trabalho analisa o processo de institucionalização efetiva da preservação do patrimônio histórico e artístico brasileiro na década de 1930, culminando com a criação, em 1937, do SPHAN – Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (atual IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o primeiro órgão federal afeito à problemática. A abordagem adotada busca desnaturalizar tal processo, que costuma ser atribuído ao apreço das elites brasileiras pelas qualidades estéticas do barroco – particularmente, o barroco de Minas Gerais, e seu mais emblemático artista, o Aleijadinho. O estudo evidencia o inequívoco viés político de que se revestiu o processo, atrelado às marchas e contra-marchas relacionadas à ascensão de Getúlio Vargas ao poder, desde a Revolução de 1930 até o endurecimento do regime a partir da implantação do Estado Novo, em 1937. Em tal contexto, assume proeminência, como símbolo da identidade nacional, a cidade de Ouro Preto, locus da Inconfidência Mineira – principal movimento separatista do período colonial – e berço do Aleijadinho – único artista colonial de incontestado prestígio então. O trabalho contou com apoio do CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Brasil.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Pinheiro, Maria Lucia. 2018. PATRIMÔNIO E PODER: A OFICIALIZAÇÃO DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO BRASILEIRO NA DÉCADA DE 1930. ARTis ON, n. 7 (Dezembro), 78-89. https://doi.org/https://doi.org/10.37935/aion.v0i7.194.
Secção
ARTIGOS