DELFIM MAYA E A LIBERDADE DE SER E DE CRIAR

  • Maria José Maya
Palavras-chave: Escultores de Portugal; Arte portuguesa séc. XX; Escultura em ferro; Impressionismo; Neo-cubismo

Resumo

Delfim Maya (1886-1978) iniciou a sua carreira artística em 1931, com 45 anos, depois de ter estado preso por razões políticas. Lutou pelas suas convicções monárquicas, o que o levou a ser preso e demitido do Exército em 1919.  Fugiu da prisão e exilou-se em Espanha, onde viveu até 1921, o que teve grande influência na sua arte. Ainda que com enormes constrangimentos financeiros, a sua independência do poder político deu-lhe liberdade para criar uma arte diferente e ter um percurso único na arte portuguesa.

O desejo de liberdade revela-se também no movimento que imprime às suas esculturas, característica marcante da obra deste artista.

Delfim Maya foi o primeiro escultor português a construir esculturas em chapa industrial de metal. O processo como o fez também foi original: desenhava uma planificação e erguia a escultura a partir dela numa única chapa, sem soldaduras. Podemos enquadrá-lo num movimento neo-cubista.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Maya, Maria. 2018. DELFIM MAYA E A LIBERDADE DE SER E DE CRIAR. ARTis ON, n. 7 (Dezembro), 123-36. https://doi.org/https://doi.org/10.37935/aion.v0i7.199.
Secção
ARTIGOS