“EXCELLENTES REPRODUCÇÕES DE TRABALHOS ANTIGOS EM MARFIM”. OS FICTILE IVORIES DO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA

  • André das Neves Afonso MNAA, Assistente das coleções de Ourivesaria e Joalharia; CIEBA, ULisboa, Portugal
Palavras-chave: Fictile ivories; Reproduções; Museu Nacional de Arte Antiga; Academia Real de Belas-Artes de Lisboa; South Kensington Museum

Resumo

As reproduções de objetos artísticos em gesso, galvanoplastia ou fotografi a assumiram-se como instrumentos fundamentais no quadro da museologia da segunda metade do século XIX, mais especifi camente no contexto das práticas colecionísticas, expositivas e pedagógicas dos museus de artes ornamentais, industriais ou decorativas. A Academia Real de Belas-Artes de Lisboa (ARBAL) formará coleções desta natureza, seja para fins de ensino académico ou fins museológicos. No presente texto debruçar-nos-emos em torno de uma coleção inédita de trinta e duas peças em gesso que reproduzem placas de marfim esculpido – os designados fictile ivories –, atualmente no acervo do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), e que resultam de uma importante oferta do South
Kensington Museum de Londres, em 1866, à Academia Real de Belas-Artes de Lisboa. Analisaremos o fenómeno da importância internacional das reproduções, a oferta realizada pelo museu londrino, a especifi cidade dos fictile ivories neste âmbito e, considerando as limitações de uma investigação ainda em curso, apresentaremos alguns dados de caraterização desta coleção.

Publicado
2019-12-26
Secção
ARTIGOS